sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Uma semana complicada

Entre o último Domingo e hoje várias coisas engraçadas se passaram.

Começando por uma banal, o Benfica foi roubado em Guimarães. Que os jogadores do Guimarães são brutos já se sabe há muito. Que a perna de um jogador é dos prémios mais cobiçados, também. Que para expulsar um adversário do Benfica é preciso fazer coisas que por pouco não passam os limites do aceitável em guerras, é o comum.
Não me refiro aos n jogadores do Vitória que podiam ter ido para a rua. Falo só de um que, com o jogo 0-0, dá uma cacetada de todo o tamanho no Lima dentro da área. Um penalti, o segundo amarelo.
Felizmente o grande Cardozo lá meteu, com alguma sorte à mistura, a bola na baliza.

Passando para outra coisa, esta nada banal, foi marcado um penalti contra os corruptos. Ainda mais raro, o que se passou no Estoril, o penalti não devia ter sido assinalado. Foi fora da área. Claro que, para balançar um pouco as coisas, o Otamendi, jogador que fez o penalti, devia ter sido expulso aos 10 minutos de jogo quando faz uma placagem a um adversário que se ia isolar.
Mas como, estou certo, existe uma regra que impede jogadores dos corruptos de serem expulsos se a equipa estiver a vencer por menos de dois golos de diferença, o Otamendi pode continuar em campo a distribuir cacete.

O treinador corrupto, esse indivíduo sem espinha dorsal que dá pelo nome de Paulo Fonseca, veio no final do jogo dizer que, devido a declarações do treinador do Benfica, houve influências arbitrais em três campos (que amiguinhos que eles estão do Sporting. Já lá iremos.).
Sobre este momento do energúmero dois pontos.
O primeiro, óbvio, para aquela corja o Benfica nunca é roubado que chegue.
O segundo, lembro-me de um jovem treinador o ano passado, jogar na última jornada com os corruptos. Ter sofrido um golo e ter tido um jogador expulso por causa de um penalti que foi um mergulho dois metros fora da área. Teve esse mesmo treinador um penalti a favor da sua equipa por marcar. Perdeu 0-2 e os corruptos fizeram a festa. O nome desse treinador é Paulo Fonseca.


O Jorge Jesus passou-se da cabeça. Foi tentar que a polícia e stewards deixassem em paz uns adeptos que tinham ido ao campo buscar as camisolas dos jogadores.
Interferiu com actividade policial. Eu, que gostava de ter um Benfica diferente daquele que o Vale e Azevedo deixou e que o Vieira cultivou, se fosse Presidente da única coisa em Portugal que merece a pena ser Presidente, teria ido ao balneário e ali mesmo despedia o Jorge Jesus.
O Benfica não pode ter um seu funcionário a cometer crimes vestido com equipamentos do Benfica durante o horário de expediente.


Não tendo o Presidente do Benfica capacidade para perceber isto foi defendê-lo. Não gosto mas percebo. Nesse caso mostrou mais uma vez que é incompetente. Uma piada que mandou numa entrevista foi que o Jorge Jesus é que se deve sentir ofendido porque na confusão lhe roubaram o relógio. Parece boca à Bufas Corleone, mas não é. Neste vídeo, por volta dos 15 segundos, vê-se que o polícia apanhou qualquer coisa. Uma coisa muito simples há que fazer. Se aquilo é mesmo o relógio do treinador do Benfica, então um agente policial roubou um cidadão. Tem o Benfica que lhe meter um processo tão grande em cima que a PSP seja obrigada a despedir o agente. Fazer dele um exemplo (até porque, segundo parece, é um rapazito que gosta de malhar em adeptos só porque sim).


No jogo entre o Estoril e os corruptos, para além da resposta à altura que o treinador do Estoril, Marco Silva, deu ao amnésico que treina a corja, um porco da direcção dos corruptos, de seu nome Adelino Caldeira, agrediu o Presidente da AF Lisboa.
As testemunhas, reunidas na altura pela PSP, já começam a fraquejar e a dizer que não se lembram.
A corja já contraatacou, indo buscar declarações em páginas do facebook onde há declarações de teor racista em relação ao Hulk, proferidas pelo Presidente da AFL, e ameaçando com uma queixa na UEFA. É preciso descaramento vindo de um clube que há dois anos esteve com problemas a esse nível por os adeptos imitarem macacos durante um corruptos-Man.City quando o Ballotelli ou o Touré tocavam na bola.


Hoje, no seguimento da coisa, um penalti ridículo, um mergulho de um jogador que chegou aos corruptos este ano mas já aprendeu como é que lá se joga. Os corruptos ganharam 1-0. O "árbitro" foi o Proença. Como de costume.

Sobre este último ponto algo engraçado. Os lagartos vieram dizer que era uma pouca vergonha que os corruptos fossem ajudados.
Não foi uma pouca vergonha o ano passado quando o Alex Sandro cortou com a mão um remate na área contra o Moreirense (jogo que ficou 1-0 para a corruptagem). Não foi uma vergonha que uma placagaem do Otamendi (o rapaz está em todas) na área contra o Rio Ave não tenha sido assinalada (os corrutpos ganharam 2-1 e na altura estava 1-1).
Não foi uma pouca vergonha que os corrutpos tivessem empatado com o Olhanense 1-1 com um golo em que o Mangala faz uma falta no guarda-redes que está nos limites da agressão.
Não foi uma pouca vergonha que os corruptos ganhassem ao Setúbal com dois penaltis por marcar e um golo em fora-de-jogo (venceram 2-0, podiam ter perdido 2-1). Não foi uma pouca vergonha que os corrutpos ganhassem ao Nacional 3-1 com um golo em fora-de-jogo e um penalti manhoso.

Só é uma pouca vergonha agora? Mais vale tarde que nunca.

Para finalizar apenas referir que


Sem comentários:

Enviar um comentário

Amantes de corruptos, gente que venha defender o chefe mafioso Pinto da Costa, ou a sua Guarda Pretoriana, escusa de comentar. Não serão aceites.
Isto é um local com higiene.